25 marcas antigas que viraram sinônimo de produtos

      Nenhum comentário em 25 marcas antigas que viraram sinônimo de produtos

Quem nunca na vida comeu chiclete, matou a fome com miojo, fez brigadeiro com nescau e leite moça ou implorou para os pais comprarem sucrilhos?! Pediu aquela pizza de frango com catupiry e adorava comer leite ninho puro.

Fez trabalho na escola com isopor, já perdeu muitas pontas do durex e xerocou o caderno do amigo para se salvar na prova.

Já usou / ainda usa gillette, band-aid, modess, o.b e cotonete. Já colou o dedo com super-bonder. Esqueceu de fechar o ziper da calça. Já teve / ainda tem na cozinha muitos pyrex’s, tupperware’s e bombril para dar aquela geral.

Ao longo do tempo nos acostumamos a chamar muitos produtos pela marca e não pelo nome de verdade em si. Esse fenômeno, inclusive, é uma figura de linguagem, a metonímia – que é quando o nome de uma marca representa o produto.

Com isso, algumas vezes não sabemos ao certo qual é o verdadeiro nome do produto. Por exemplo: Isopor. Desafio você a dizer o nome exato do produto. Sim, isopor é uma marca! Está surpreso? Por incrível que pareça, o nome é poliestireno expandido. Imagina só falar: “vou levar uma caixa de poliestireno expandido com bebidas para a praia” hahahaha

Confira algumas marcas que viraram sinônimo de produto: 

Zíper: Sim, Zíper é uma marca. Essa te deixou de queixo caído, né? O nome certo para a invenção é “fecho éclair”.

Isopor: Como ninguém anda por aí dizendo que vai levar as bebidas em uma caixa de poliestireno expandido, a marca Isopor acabou se tornando sinônimo desse material tão útil. Ainda bem!

Gillette: A marca que virou sinônimo de lâmina de barbear pertence hoje à multinacional Procter & Gamble. Quando nasceu, o produto ganhou o sobrenome do seu criador, o inventor norte-americano King Camp Gillete, que em 1903 fundou a companhia Gillette Safety Razor Company.

Miojo: Que macarrão instantâneo que nada! Quem vai mesmo matar a sua fome é o famoso miojo. O macarrão instantâneo (ou lamen) nasceu em 1958 pelas mãos de Momofuku Ando, da japonesa Nissin. Testemunha dos problemas de abastecimento da 2ª Guerra, ele afirmou que pesquisava por formas baratas e rápidas de fazer alimentos. Décadas mais tarde, o nome escolhido para a invenção seria usado para se referir a todos os produtos da categoria, inclusive os da concorrência .

Durex: Fita adesiva é o nome original do bom e velho “Durex”, que foi lançado aqui no Brasil pela empresa de mesmo nome na década de 40.

Band-aid: Destinado a proteger pequenos ferimentos na pele, o produto se tornou tão popular que acabou se transformando em sinônimo de “curativo adesivo” em todo o mundo, independente da marca.

Chiclete: Você sabia que “chiclete” é a versão aportuguesada da palavra Chiclets, marca da Adams. O nome do produto em si é goma de mascar.

Modess: é uma marca de absorvente da multinacional Johnson & Johnson. Foi a primeira linha de absorventes descartáveis a ser produzida no Brasil, em 1933. Até hoje vou na farmácia comprar um “Modess” hahaha

OB: A história de o.b. – que na verdade é a abreviação da expressão alemã “ohne Binde”, que significa “sem absorvente” – começou em 1947, quando o engenheiro alemão Carl Hahn viu um anúncio de absorventes internos publicado em uma revista americana e achou que o produto poderia revolucionar o mercado alemão de higiene feminina.

Leite Moça: O “Leite Moça”, da Nestlé, foi um dos primeiros a serem comercializados aqui no Brasil, tornando-se, portanto, sinônimo de leite condensado para muita gente. Vai dizer que nunca saiu pra comprar “leite moça”?

Nescau: “Não esquece de trazer o Nescau”. Mas, na verdade se refere ao achocolatado em pó instantâneo.

Cotonetes: As hastes flexíveis começaram a ser comercializadas aqui no Brasil pela Johnson & Johnson com o nome de “Cotonete”, que acabou pegando e sendo utilizado para designar todos os demais produtos desse tipo.

Bombril: Com mais de 65 anos de mercado, Bombril é o nome da lã de aço que virou sinônimo de categoria no Brasil. A lã de aço chegou no mercado brasileiro na década de 50 e nos anos seguintes emprestou sua nomenclatura para todos os produtos similares.

Xerox: A marca “Xerox” não só se tornou sinônimo de máquinas que realizam fotocópias como também dos documentos que replicamos com elas. Tanto que, aqui no Brasil, inclusive existe um verbo que designa essa ação: xerocar.

Super Bonder: Todo mundo que quer comprar um cola bem forte, pede uma Super Bonder, porém esse nome é uma marca da Loctite.

Maizena: Outra marca que acabou se transformando em sinônimo de produto em todo o mundo é a “Maizena”. Aliás, há quem fique em dúvida na hora de reunir os ingredientes para uma receita e vê na lista o tal do “amido de milho” escrito e não a super conhecida maizena.

Velcro: É um tipo de fecho que foi inventado na década de 40 e patenteado sob a marca Velcro. Com a popularidade do produto, “velcro” se tornou um termo genérico para o material.

Leite Ninho: Outro artigo que acabou se transformando em sinônimo de toda uma classe de produtos é o famoso “Leite Ninho”. Isso porque, no passado, não havia muita concorrência contra as icônicas latas amarelas e até hoje relacionamos o nome da marca quando vamos comprar leite em pó.

Sucrilhos: o produto da Kellogg’s acabou se tornando tão popular que a maioria das pessoas se refere aos flocos de milho dessa forma até hoje.

Pó Royal: A história do produto começou com os irmãos Hoagland que viraram sócios para produzirem juntos o fermento em pó. O marketing forte, com o patrocínio de livros de receitas e de histórias, fez com que o produto se tornasse um sucesso.

Catupiry: Como pedir uma pizza de frango com catupiry sem se referir à marca? Pois é, o catupiry nada mais é que um tipo de requeijão cremoso.

Caldo Knorr: Caldo em cubos é um condimento muito usado no preparo de várias receitas, principalmente em sopas e refogados. Na maioria das vezes que você vai comprar esse produto, refere-se à ele como “Caldo Knorr”.

Tupperware: A marca Tupperware foi criada no ano de 1946 pelo Engenheiro Químico Americano Earl Tupper, ele foi pioneiro na ultilização de polímeros de qualidades excelentes em lugar de plásticos comuns.

Pyrex: é a marca comercial usada desde 1915 pela Corning Glass Works para a sua linha de recipientes em vidro borossilicatado destinada ao mercado doméstico. A popularidade desta marca e a sua dominância do mercado ao longo do século XX fez dela uma marca genérica, sinonimo deste tipo de vidro.

Teflon: Esta é uma marca de panelas com revestimento antiaderente, que por sua vez também é o nome da empresa que faz este tipo de material.

Jeep: é uma marca registada atualmente em nome da Chrysler LLC Group. O termo jipe virou sinônimo de automóveis destinados ao uso fora de estrada, ou off road, normalmente com tração nas quatro rodas. A palavra jipe é um aportuguesamento do termo em inglês jeep, derivado da pronúncia em inglês da sigla GP, que significa general purpose ou “uso geral”, embora essa não seja a origem da marca Jeep.

Jet-ski: O caso mais recente de adoção de uma marca para nomear todo um setor o do nome registrada pela Kawasaki para “moto aquática”, o Jet-Ski, no Brasil. A montadora chegou a reclamar formalmente do uso de sua propriedade intelectual registrada para designar genericamente os veículos numa cobertura de acidentes em 2012.

Compartilhe!

Deixe um comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *